Meio Ambiente e Biodiversidade

Dica Ambiental de Autodesenvolvimento

Por Lorena Gebara 01/10/2020

 A  Dica dessa semana complementam o tema do artigo O Brasil está em chamas mortíferas da Coluna Ambientalista, o qual pontua alarmantes dados sobre as atuais queimadas que estão devastando a nossa biodiversidade e prejudicando a saúde e o sustento da populações tradicionais.

Trouxemos essa importante reflexão, das atualidades do Meio Ambiente, que tem ocupado a mídia nacional e internacional, diante as devastadores informações sobre a perda de áreas naturais por desmatamento e queimadas criminosas. Confira os bastidores e a luta pela preservação da floresta. Assista ao documentário com cenas nunca vistas antes sobre uma Amazônia em perigo.O documentário indicado e a leitura, ajudam a visualizar melhor o debate das áreas preservadas, dando dinamismo e entretenimento as informações.  Mantenha-se bem informado com um debate crítico e científico através das mídias da BIO+. Bom divertimento!

Dica de Filme: O documentário Amazônia Sociedade Anônima, do diretor Estevão Ciavatto, se inicia com frases de impacto: “Em 14 mil anos de coexistência com a espécie humana, 1% da floresta foi desmatada. Desde 1970 quase 20% da Amazônia brasileira foram desmatados, outros 20% estão degradados em sua biodiversidade por retirada ilegal de madeira e incêndios.” Outras informações importantes vão surgindo ao longo do filme, mostrando a intencionalidade de Não se preservar a Amazonia, por uma das bancadas mais fortes do Congresso, a dos ruralistas. Governantes financiados por parte do agronegócio defendem seus interesses privados, por meio a exploração ilegal de terras preservadas, efeitos que vão de sonegação fiscal a evasão de divisas, passando por roubo de terras públicas e sonegação tributária: “Em 2017 a Lei 13.465 estendeu as invasões até 2011 e ampliou o tamanho das áreas de 1.500 para 2.500 hectares.” Por ano ocorre cerca de 25 mil focos de incêndio na Amazônia Legal que representa cerca de 60% do território brasileiro.

Hábitos de Leitura: O livro “Políticas da natureza: Como associar as ciências à democracia”, do sociólogo francês Bruno Latour. Composto por cinco capítulos, é uma obra de filosofia política da natureza ou, ainda, da epistemologia da política. A reflexão central da obra é norteada pela importância da discussão pública dos problemas ecológicos. Há quase trinta anos, o sociólogo, antropólogo e filósofo Latour vem se dedicando a refletir sobre o casamento, não livre de adversidades, da ecologia com a política. Se não é exatamente recente o boom dos movimentos engajados em ativismo ambiental, é preciso trazer ao debate a questão: diante das transformações climáticas, das agressões sistemáticas das quais o planeta padece, eles têm conseguido efetivo respaldo político? A ecologia política é capaz, afinal, de dar conta desse delicado desafio?

Lorena Gebara é Pesquisadora, Bióloga de Campo e Educadora. Atua nas áreas de Sustentabilidade, Meio Ambiente, Políticas Públicas, Educação e Gênero, elaborando projetos de desenvolvimento Socioambiental. Entre em contato pelas redes sociais e deixe seu comentário no Instagram @kiu_bio ou Facebook Kiu Bio  e receba consultoria personalizada em sustentabilidade integral.

Edição e Arte: Edson Paz

AJUDE A LEVAR A CIÊNCIA AINDA MAIS LONGE

Somos um grupo de divulgadores científicos dedicados a aproximar a ciência e o cientista da sociedade, combatendo Fake News sempre com responsabilidade e comprometimento. Doando você nos ajuda a manter esse importante trabalho em prol da ciência brasileira.

10.00 R$

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: