Meio Ambiente e Biodiversidade

A Sociedade do Espetáculo do Consumo

Por Lorena Gebara 12/08/2020

Das muitas datas comemorativas que temos, dia 14 é uma das que mais me intriga. Qual seria o significado de se ter um dia do Controle da Poluição Industrial, quando vivemos em uma sociedade que todo seu funcionamento se baseia na produção, consumo e descarte desenfreado de bens materiais? Quando ocorrem crises, não importa se estas são crises individuais ou sociais, econômicas ou até mesmo da saúde como a que vivemos agora, a primeira ação é incentivar o aquecimento da economia por meio do consumo. Os governantes clamam publicamente que continuemos a ir ao shopping, dando apoio fiscal e subsídios ao comércio e indústria, muitas vezes ignorando as preocupações da saúde, do meio ambiente e dos direitos humanitários.

A era industrial facilitou a produção e o acesso a bens de consumo, mas também criou um frenesi no comportamento compulsivo irracional por compras, deflagrando a exploração desenfreada pelos recursos naturais. Esta compulsão foi fortemente incentivada por uma economia baseada no PIB como índice de desenvolvimento humano em contraponto ao índice da felicidade da ONU. Produzir em escala massiva resultou em uma constante extração de matéria prima,  gasto energético e como consequência do processo linear: produção de dejetos. Não apenas rejeitos da própria cadeia de produção, que na maior parte das vezes não segue os padrões de sustentabilidade gerando uma grande quantidade de lixo, como o descarte das embalagens e dos produtos de obsolescência programada.

O problema se deflagra na cadeia produtora e consumidora, já que nossos hábitos são regidos por padrões individuais, midiáticos, econômicos e governamentais voltados para suprir necessidades imediatistas, tornando tudo descartável e rapidamente obsoleto. Mesmo com a pandemia que brecou o consumo, a indústria, o transporte e as emissões poluentes, causadores do efeito estufa, os índices de concentração de gases potencialmente perigosos subiu de 10 a 20% em relação ao último levantamento de 2019, segundo o INPE. Um dado que só confirma a despreocupação das políticas públicas na criação de metas para atingirmos os objetivos de desenvolvimento sustentável, os ODS da Agenda 2030 da ONU, na transição para territórios sustentáveis e de responsabilidade global.

Com que importância ou reflexão passamos por mais uma data de simbolismo esvaziada de significado e debate. Com quais  medidas, caro leitor,  você acredita que devemos comemorar esta curiosa data do Controle da Poluição Industrial? Será que estamos próximos de atingir nossa tomada de consciência individual e coletiva? Quer filosofar um pouco mais sobre o impasse homem e natureza? Leia o artigo “O tempo do homem não é o tempo da Natureza” e repense porque nossos hábitos de consumo podem e devem desacelerar essa cadeia produtiva de forma a  dar um respiro a Natureza, respeitando seu tempo de regeneração.

Estamos programados para perpetuar essa sociedade consumista, sem questionar o impacto que causamos pelos nossos hábitos insustentáveis. O marketing, os formadores de opinião e lideranças criaram um sistema que embutem o Ter para Ser. Grande parte dos nossos impulsos de consumo está ligada a uma psique consciente ou inconscientemente incentivada por uma sociedade que cria desejos, expectativas e frustrações, nos fazendo acreditar que comprar é a melhor forma de amenizar qualquer desconforto. E quanto ao mundo, e quanto ao planeta? Continua carente de cuidado e atenção. Do nosso cuidado, de acreditarmos em nossas potencialidades como seres pensantes que somos, em sonhos e utopias que nos fazem caminhar. Cuidado com nosso meio, com a natureza que nos provém tudo aquilo que nós precisamos para continuarmos existindo no planeta.

Lorena Gebara é Pesquisadora, Bióloga de Campo e Educadora. Atua nas áreas de Sustentabilidade, Meio Ambiente, Políticas Públicas, Educação e Gênero, elaborando projetos de desenvolvimento Socioambiental. Entre em contato pelas redes sociais e deixe seu comentário no Instagram @kiu_bio ou Facebook Kiu Bio  e receba consultoria personalizada em sustentabilidade integral.

Edição e arte: Edson Paz e Ewerton de Souza

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: